Com Autismo nas festas e na Família

A inclusão social tem sido apontada como uma dinâmica fundamental para se angariar benefícios a todos. No caso específico dos indivíduos Autistas, esta intervenção precoce (antes dos 4 anos de idade), produz um ajuste social, ou seja, propicia colocar A CRIANÇA NOS TRILHOS DO DESENVOLVIMENTO tido como aceitável.

Porém, é importante observar as necessidades especiais de cada criança, trazendo a todos os envolvidos nestas novas situações – festas e família – um comportamento realista possível e evitando a fantasia da adaptação sem dificuldades, ou da incapacidade desta integração social.

Desta forma, é possível conscientizar a todos sobre os malefícios do eterno isolamento e, outrossim, os benefícios do aprendizado da independência através das brincadeiras de festas e conversas entre a família. Assim, desenvolve-se as potencialidades da criança Autista e do futuro adulto Autista.

A troca de afeto causa o alívio para todos os envolvidos na angústia do isolamento social neste ambiente de naturalidade, estimulando a criança Autista a um novo comportamento; Os bons hábitos de convivência e padrões de integração, que embora não tidos como comuns, traduzem e espelham a interação entre seres humanos, que se veem como irmãos.

Portanto, no ambiente familiar e dos amigos, a maneira de tornar o Autista parte das atividades realizadas com outras pessoas, depende de muita compreensão, carinho e paciência, para acompanhar o tempo dele, auxiliando-o a se juntar as demais crianças e familiares, produzindo motivação e naturalidade nas diferenças, para que não se impeça, de forma alguma, que todos sejam Amigos.

Texto por Mariete Pavoni, psicóloga.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Novidades

Receba em seu email as novidades e dicas da Elo21.

Banner cartilha